Boletim


Publicado em: 01/2016


É possível dimensionar o impacto da atitude dos atuais gestores da Unimep quanto ao atraso dos salários aos professores?


Para respondermos a tal pergunta de forma a contemplar a indignação dos professores e os seus respectivos prejuízos financeiros, temos que lembrar que o atraso de salários tem sido uma prática recorrente dos gestores, justificado de forma insatisfatória. Estamos enfrentando em janeiro de 2016 o que enfrentamos em janeiro de 2015, numa clara demonstração de desrespeito à comunidade acadêmica e administrativa. Tal prática vem alimentando um clima de insegurança e desconfiança dos professores em relação a suposta prática “transparente” que orienta o discurso desta gestão. Revendo estes atrasos, percebemos que há uma certa “coincidência” com o período de recesso ou férias dos professores, como foi também registrado o atraso do pagamento dos salários no início do 2º semestre de 2015, numa clara demonstração de que os gestores estão se aproveitando da dispersão dos professores nesses períodos, possível de ser observado pelo quadro abaixo:

A situação se agrava ao recordarmos que, conforme informações veiculadas pela Reitoria, no final de 2015, haveria recursos financeiros suficientes para respeitar os nossos direitos consagrados pela legislação e ainda atender as demandas do PDVD. Os professores desconhecendo a possibilidade de atrasos salariais, programaram esses períodos de férias ou recessos de acordo com o que estava previsto, assim como os professores que se inscreveram no PDVD.

Diante desse quadro, lamentavelmente, constatamos que é desastroso o impacto do atraso do salário dos professores, da forma em que ele vem sendo conduzido pelos gestores, como mais um instrumento do desmanche do Projeto Institucional, que afeta não só a vida dos professores, mas a possibilidade de continuar com o seu compromisso acadêmico junto à Unimep.

Em defesa dos salários e para além dos salários!

Diante do que a comunidade acadêmica vem enfrentando é preciso manter e fortalecer a mobilização permanente contra os parcelamentos e atrasos salariais e a defesa do Projeto Institucional da Unimep no contexto da Política Acadêmica e dos espaços colegiados.

A Adunimep enviou vários comunicados à direção geral do IEP e à Reitoria, lamentando essa prática desrespeitosa dos gestores responsáveis e divulga nesse momento um plano de ação imediato, com o objetivo de materializar o nosso estado de mobilização permanente, explicitando as ações já realizadas e aquelas que estão agendadas.

  • Reunião da diretoria da Adunimep no dia 11 de janeiro;
  • Reunião entre Adunimep, Afiep, Apropi, Sinpro e Saaep no dia 12 de janeiro;
  • Reunião entre Adunimep, Afiep, Apropi, Sinpro e Saaep, Direção Geral do IEP e Reitoria no dia 13 de janeiro;
  • Reunião da diretoria da Adunimep e Conselho de representantes no dia 19 de janeiro;
  • Reunião aberta aos professores no dia 19 de janeiro, com a presença aproximada de 40 professores.
  • Diante dessas ações foi possível analisar a situação que os professores e funcionários estão enfrentando e compartilhar suas respectivas ações, assim como as ações propostas pela Adunimep e pelos professores presentes na reunião do dia 19 de janeiro, apresentadas abaixo:
  • Carta dos professores para o diretor geral do IEP e Reitor da Unimep;
  • Seminário sobre a situação atual dos professores e da Unimep, organizado pela Adunimep, no dia 02 de fevereiro;
  • Assembleia dos professores no dia 11 de fevereiro.