Boletim


Publicado em: 01/2016


Carta Aberta dos Professores para o Diretor Geral do IEP e o Reitor da Unimep


Nós, professores da Unimep, elaboramos este documento com o intuito de manifestar a nossa indignação pelo atraso nos pagamentos dos salários, ocorrido nos últimos meses, e o não pagamento do salário de dezembro de 2015 até a presente data.

Nós somos trabalhadores que têm como ofício ministrar aulas, desenvolver pesquisas, elaborar e coordenar projetos de extensão junto à comunidade, com o propósito de trazer contribuições para a sociedade brasileira, no sentido da formação humana, da transformação de valores, assim como das condições de vida. Agimos a partir do conhecimento científico para que as pessoas tenham uma vida melhor. No entanto, o impasse que temos vivido nestes últimos anos, que tem se acentuado nos últimos meses, é que a nossa própria condição de vida tem se degradado aos poucos. Vivemos de forma pior e sem esperanças com relação ao futuro. A cada ano, quando a Unimep tem uma suposta melhora em sua condição financeira, são mantidas as mesmas condições discrepantes para nós -  divisão de professores em duas carreiras que já se estende por anos, reajustes mínimos de salário que são negociados com o sindicato dos professores e, quando há sorte, o salário é recebido em dia. Quando temos informações que houve diminuição da receita da Unimep, somos os primeiros a serem afetados com atrasos de salário ou mesmo o seu não recebimento.

A Unimep é uma instituição que há 40 anos tem construído uma história junto à comunidade local e à sociedade brasileira na formação de professores, engenheiros, biólogos, advogados, administradores, dentre outras diversas profissões, e tem sido também uma instituição de referência no âmbito da pesquisa e de projetos de extensão nessa sociedade. As ações sociais desenvolvidas pela Unimep, que podem ir ao encontro dos propósitos religiosos da Igreja Metodista, envolvem locais como escolas, hospitais, espaços governamentais e privados, centros de reabilitação etc. Nossos alunos de graduação e pós-graduação têm assumido posições chave em órgãos governamentais, empresas e instituições de ensino.

Nesses anos todos, a Unimep tem sido defendida por nós, no entanto, não sabemos mais o que somos para a instituição. O diálogo com os dirigentes é praticamente inexistente, recebemos informações pela intranet de que o pagamento do nosso salário será feito com pequeno atraso, hoje é dia 20/01/16 e ainda não o recebemos, nossas condições de trabalho têm sido precárias. Todas as atividades que envolvem a atualização e publicação de conhecimentos, quando envolvem custos, são pagas a partir de nossos próprios salários. Os laboratórios de pesquisa, a maioria dos custos são provenientes de verbas externas, congressos e reuniões científicas são custeados por nós. Enfim, esses são alguns gastos mensais além do que pagamos por nosso deslocamento e alimentação no trabalho do dia a dia.

Ao longo desses anos os professores têm sido os principais colaboradores da Unimep, já passamos por conceder parte do salário para que a instituição estabelecesse seu equilíbrio financeiro, temos dado crédito à instituição em situação que seria de greve, enfim, temos cumprido bem com nosso papel de professores e pesquisadores, mesmo não tendo um salário à altura desse nosso ofício, como no caso dos professores da carreira nova. Além disso, nunca nos furtamos ao enfrentamento da crise econômico-financeira, buscando construir – em conjunto com os gestores da Universidade – alternativas para a viabilização de nosso projeto acadêmico e de nossa sustentabilidade econômica.

Enfim, não fossem o atraso e o não recebimento de salários, por si só, uma afronta aos trabalhadores da universidade, num contexto em que nosso empenho e dedicação à Unimep é patente, somos levados a considerar que mantenedora e reitoria têm sido profundamente desrespeitosos e irresponsáveis com a comunidade universitária, vez que não tem havido diálogo e tampouco parece haver um planejamento consistente para o enfrentamento da atual situação institucional, já que nem sequer uma previsão de data para o pagamento do salário de dezembro pode nos ser oferecida.

Diante de tal quadro, vimos informar que estamos nos colocando em estado de mobilização permanente. Estabelecemos uma agenda de fóruns, atividades e assembleias, para as próximas semanas, com o objetivo de lutar pela Unimep, pelos nossos direitos e por melhores condições de trabalho, entendendo que essa é também uma luta pela história da Unimep e por aquilo que essa instituição significa no contexto da sociedade brasileira e para a cidade de Piracicaba. Convidamos também alunos e funcionários para que se unam a nós em defesa do patrimônio cultural e científico construído ao longo desses anos e que se encontra ameaçado.

 

Piracicaba, 20 de janeiro de 2016.

 

Adunimep / Professores da Unimep